Portugal’s economic stagnation: genetics or disease?!

Not that I am any kind of expert to have a say on what is troubling Portugal’s economy that keeps it from displaying any kind of meaningful economic growth since the start of the new millennium. One thing’s for granted, the country’s wealth creation had stalled much before the economic crisis that erupted almost six years ago. So why can’t Portugal leave this incapacitating lethargy behind? Might we be looking at something (or a set of factors) so entangled in Portugal’s DNA that make it impossible to suppress or are we contemplating something fixable like a disease that with the right prescription can be cured?

Much has been said and written about this conundrum both by reliable pundits as much as by less educated commentators. Strikingly the core from which stems the majority of the symptoms of Portugal’s malaise keeps being overlooked. I’ve extensive and intensively mentioned this causality time and again on this blog (here is an example) but this article that has come to my attention a few weeks ago sums it up pretty neatly. However it fails to give credit to the rightful bunch who’s leeching the country (my emphasis).

As Matt Yglesias of Slate points out, most of southern Europe, Portugal included, suffers from too much corruption and regulation. Businesses choose to stay small, because it makes sense to just deal with people you personally trust when you can’t reliably appeal to the authorities sans-kickback. Businesses can stay small, because the laws make it hard to get big and achieve economies-of-scale. It’s a mom-and-pop nightmare of low productivity.

That’s a tad shy of naming the far reaching tentacles of the “not-too-fit-designation-of” political parties that since the of the end of the dictatorship rule in 1974 have been parasitizing Portugal.

Let’s go back almost 40 years to the time when people couldn’t express their thoughts and barely could sneeze without becoming suspicious of some kind of conspiracy to overthrow the regime. Back then, Portugal which had spent almost 50 years on a stranglehold, was one of the poorest countries in Western Europe: it lacked structural infrastructures, had an under-educated population (and high illiteracy ratings), most of it was making their living out of a rudimentary and low productivity agriculture, hovering around the poverty threshold, with limited access to medical care and with no retirement benefits. Meanwhile, democracy sets in along with a myriad of political parties.

At the early stages of the new era, with the benefit of hindsight, one can concede that all the time locked up inside a hermetic regime could lead to a number rash decisions. The rush unleashed throughout the troubled years post-revolution, arising from over a generation time of frustration accretion, made things easy to the blossoming political parties. In spite of their ill-preparation and total lack of experience they just had to promise they would provide anything that improved the people’s poor standard of living. If any party argued that the transition to democracy had to be smoothed out or that it wasn’t realistic to deliver so much “perks” in such a short period of time it would be gone as soon as it finished its statement. If instead a political party had overcommitted itself no harm would be done since the people would have accomplished something that never had dreamed of a few years before. In other words at this juncture these puerile political parties bore little to none accountability and just had to pamper the once repressed Portuguese people. Nevertheless the IMF was called twice to help clean up the mess of such a reckless public finances’ management.

Time went by and that uneasiness for freedom started to fade. From mid-80’s things started to calm down and the country eventually would stabilize enough to successfully apply to join the European Economic Community (EEC) in 1986. From then on millions of Deutsche Marks, French Francs, British Pounds, you name it, started to pour into Portugal’s economy for the sake of European economic convergence. Soon after the state started to relinquish its key sector enterprises (banks, utilities, oil refiners, telecoms, etc.) and suddenly Portugal was flooded by a torrent of money and on top of that witnessing its credit ratings skyrocketing. Meanwhile during the 90’s the number and influence of political parties began to consolidate and 2 major political powerhouses emerged: Socialist Party (PS) and Social-Democrats Party (PSD). If in the early steps of this modern-age democracy politicians had it easy due to social unrest the run-up to the noughties was a walk in the park thanks to the EEC massive money outpouring and privatizations!

Everybody was so overwhelmed with such a windfall and with the substantial improvement of the standard of living that no one bothered to question whatever high-profile economic and strategic decisions were being made in the political backstage. Would Portugal be able to support a generous – almost overnight assembled – welfare state with wide benefits inspired in the northern European countries in spite of its inability to curb tax evasion? Was it sustainable to suddenly build a dense and high quality network of highways, stage a World Exposition and a football European Cup of Nations out of the blue? Would it make any difference to run large current account imbalances year after year?! What about those persistent public works’ budgetary slippages?! Who cared?! Portugal belonged to the rich countries club anyway and could easily plug those deficits with any amount of easily available funding.

It was this abundance setting and the consolidation of the prominence of 2 political parties that allowed the sprawl of its growing ranks through every public office seat, not to mention managerial positions among civil servants. Let’s say that in civil service affiliation or membership matters a great deal even to hire an ordinary employee. Their influence is such that the 2 organizations tacitly share not only board seats in every state owned enterprise but also in previously privatized companies. Go figure…

While society turned a blind eye to these two political parties backstage maneuvering they have completely seized power. This can hardly take anyone by surprise, specially after almost 40 years alternating in power, either in parliament or in any remote town hall (with one or two exceptions). No matter how bad they had performed during their term one party would always (and still does) succeed the other like some sort of intermittent monarchy. They didn’t (and still don’t) try to do better than the predecessor because they always resort to the blame game. They do it over and over again as an amused electorate keeps settling with this despicable display. And elections?! A mere formality. An opportunity to organize state funded rallies (how convenient and disgraceful) filled with flamboyant, yet demagogic speeches, with a lot of finger and flag waving packed with blindfolded people who generally is rewarded with a  cheesy dinner.

If you think I’m being too harsh and/or vague let’s stop for a moment to weigh in some evidences to support my standpoint.

Well, it’s indisputable that the political parties, namely PS and PSD, hold the monopoly of political agenda setting in Portugal. These are the 2 entities who effectively run the country. As stressed before the great majority of public office duties, not mention big companies boardrooms, has been filled with people affiliated with these parties so what track record do they have to boast about?!

Let’s put it in simple terms: an overly indebted country with a feeble over burdened economy with taxes and a myriad of levies, over reliant on imports and held hostage by anti-patriotic and rogue vested interests. There’s more: income inequality is among the greatest in developed world and productivity is racing to the bottom. But isn’t life any better since the end of the dictatorship regimen? Of course it is. Quite a lot, indeed! However if it wasn’t for the tonnes of money coming from the EEC and the over easy access to funding markets nothing much would be accomplished. Which is the same as saying that a lot of money was misspent, misused or simply stolen. Again from the above mentioned article (my emphasis).

It’s an economic whodunit without any clear culprits [yeah, right!]. Yes, Portugal has real structural problems (which we’ll get to), but so do Spain and Greece, neither of which slumped before the slump. For his part,[Ricardo] Reis [Columbia University professor] speculates that Portugal’s immature financial sector is to blame: it misallocated the foreign capital that poured in to low productivity, non-tradable sectors like wholesale and retail trade. In other words, it wasted money on things that never had a chance of paying off.  

“Easy unearned money corrupts” could be one’s reading but remind me who has been at the helm all these years?! I have a better reading: make things happen with current easy and plentiful money is a no-brainer. The same isn’t truth when that easiness vanishes, like recently has been the case, and therefore, once again “dial IMF for help”.

Now, let’s turn our attention to some loose ends to mull over. But first, from the very same article (my emphasis):

Of course, Portugal still has to fix its structural problems. This can often feel like a hand-wavey catchall, but, among other things, it means making it easier to fire permanent workers who are very much so; making it easier to start and expand a business; and making it easier to enforce contracts.

  • Does anyone profit from laws that prevent companies to increase their scale?! The economy certainly doesn’t given that it restrains competition and consequently caps productivity growth. Who wouldn’t want competition? Large companies with strong interests in Portugal (national or foreign)?! Is that why they hire people strongly linked to the prominent political parties, chiefly those that have already had a governmental role?!
  • Why is there too much regulation?! Is it warranted?! Is it why there are so many bureaucrats?! Is that also why bureaucracy takes ages to produce an outcome?! How can businessmen unblock any unnerving bureaucratic issue?! Any clues? If bureaucracy were to be curtailed would bureaucrats be fired?!
  • Why are courts of law so clogged?! Is it for the excess of regulation on the Procedure’s Code?! Is that why do they take eternity to issue a verdict on high profile cases involving public figures and most of all members of political parties (especially PS and PSD)?! Some of them even lapse. And what to say about the lacking of convictions on white-collar crimes that are strongly linked to the most prominent parties?! Who writes and approves this codes/regulations?! Coincidences?!
  • Why are there permanent workers in civil service?! And why do they, on average, have higher wages than the rest of the economy?! And can someone explain to me why do they have extensive social benefits unlike the rest?! And why have the civil servants ranks increased exponentially since democracy’s green shoots (until 2010) to the point that they could stumble in each other’s?!?!?! It sure doesn’t help productivity nor Portugal’s fiscal deficit woes!  Why don’t they fire them outright?! Would the dominant political parties treat this issue as very delicate from the re-election point of view?! Using the same argument: why are there 308 town halls and 4269 (give or take) “village halls”?!?!?! Who are they employing?! Why don’t they downsize them right away!?!?!?
  • Why do political parties (all of them) ward off any attempt of creating new political forces or independent candidacies to any public office seat?! It has become clear that political parties are not much of competition lovers, but is it why their runs to any public office seat are state funded and independent ones not?! Is it why they are exempt of VAT and others don’t?! Is it why they always keep it down when it comes to talk about their funding sources?!
  • Are these political parties that polarizing to recruit the brightest and sharpest of the individuals?! If so, why is Portugal so marred with perennial structural problems that successive governments fail to address!?

And the most fat of these loose ends…

  • WHY ARE ALL THESE ISSUES BEING ADDRESSED (EXCEPT THE UNWARRANTED EXCESS INFLUENCE OF THE DOMINANT POLITICAL PARTIES) UNDER THE GUN FROM THE TROIKA (IMF, EUROPEAN COMMISSION, ECB), NOW THAT FINANCIAL MARKETS STARTED TO SERIOUSLY DOUBT THESE PEOPLE CREDIBILITY?!?!?! ARE THEY ALL MORONS NOT TO REALIZE THE EXTENSIVE LIST OF PORTUGAL’S PROBLEMS?!?!?!

It has become clear that Portugal effectively is ill. If its economy isn’t growing and is not showing any signs of improvement is sick! Nonetheless, after a pertinent diagnosis one can relate it with the strange bodies found in Portugal’s gut that obviously don’t share the same DNA. This parasites – roundworms maybe – are leaching its host to its anemic condition. With these organizations running the show there a too many uncalled-for middlemen who are always seeking ways to get a piece of the action and have no regrets to get better off at the expense of everybody else. Right now these parasites are seriously imperiling Portugal’s future. They better be stopped or at least contained!

Fool/fail us once, shame on them. Fool/fail us twice, shame on us…

We live in economic times

Economics: A social science that studies how individuals, governments, firms and nations make choices on allocating scarce resources to satisfy their unlimited wants. taken from investopedia.com

That was the definition that my freshman year’s high school teacher of introduction to economics wanted us to learn. Needless to say that back then and throughout the following years it seemed all too abstract. For some of my old schoolmates that blurry definition might have never become any clearer as they eventually either dropped out of school or took a different direction. As for me, my enthusiasm for the matter didn’t go away so I ended up majoring in Economics. Nevertheless it was only midway through graduation that this definition started to make some sense.

When the full notion of economics finally struck me I realized that I had been brought up with this mantra all along. “It’s all down to make choices” my parents taught me. “You can’t have it all” or “In order to have this you’ll have to relinquish that” I used to hear very often*. Except that this reasoning wasn’t any good to persuade a 4 year old kid that he was only entitled to choose a miniature car out of a showcase of some dozens. Try this speech on someone that young and you might have to deal with a public demonstration of a whining free-style break dance display hard to rein in (sorry about that, mom).

When I came of age my parents’ doctrine strictness began to produce some results as I started to weigh in different options whenever I wanted something: “Shall I buy a new pair of jeans, new tennis shoes or a new coat?“. One final step involved taking into account the time scale. In other words that meant considering different options within different time frames. Graduation implied to be able to make a decision in real-life (one-shot opportunity): “Parents’ financial support to buy a car now vs. parents’ offer to provide for a post-graduation degree in a few years’ time?”

As in these mundane examples of an individual’s upbringing the same principles should apply both to a household or to a nation’s economy: choosing between a multiplicity of options spread across different time frames using relatively scarce resources (time, money, labor, land, skills, etc.).

Like we all know events have unfolded in such an uneconomic fashion that reality started to bite as of late, specially to those households/nations highly indebted. Nowadays you get to hear talking quite a lot about “austerity”, specially in Southern European countries. Meanwhile scapegoat seekers insist to point their fingers to its, so-called, “advocates” for all the pain it’s causing rather than trying to understand reality.

In fact austerity should be acknowledged as a consequence of past choices and frankly it was past due**. Let me clarify with the following examples:

– you can’t, as a household or nation’s government, focus all your resources on the present time and ignore future liabilities attached;

– you can’t (and shouldn’t) fulfill all your desires (an untamable drive)  if that means getting strapped for money in the foreseeable future;

– you should carefully weigh your current (or any additional) expenditures when your budget is starting to look over-stretched and you aren’t seeing any income raise or off-setting wealth generation;

– you surely shouldn’t rely on low interest rates to stay afloat while you keep on spending.

To sum it up, who did, with a given endowment, run successive budget deficits, relied on cheap and plentiful credit to fund them, entrusted its fate in ever present tailwinds and somehow expected not to balance its accounts anytime in the future?! I better rephrase it…who didn’t?!

Well, on a household point of view, you just need to take a look to macroeconomic statistics for the last three decades to witness the run-up in the brotherly link between consumption and indebtedness and how savings almost became extinct. Further, on a wider scope, check out those western world  sovereign debt figures and their persistent fiscal deficit numbers one more time…

At this juncture a lot of western world citizens, namely those from South European debt-ridden countries, have to mull over several rifting issues concerning: their lifestyle, how wide and thick they want their social safety net to be, how democracy should work (specially the role of political parties), how to enforce accountability of public acts, how to curb shady and powerful lobbies’ influence, their euro membership, etc.

Although one thing is granted: those frothy years of deluging cheap money prone to misuse and to addiction are nowhere to be seen in European debt-laden countries for a long time to come. As of late their governments and the ECB have been trying to turn the yesteryear’s poison – extremely loose monetary policy –  into today’s painkiller however with (very) modest results. In case they haven’t noticed that wrench won’t do the trick anymore. And to fix this full-blown euro-zone crisis there are reasons to worry about: we’re talking about a very depleted toolbox to cope with a lot of malfunctions!

Unlike the prestigious newspaper slogan – that would fit perfectly fine when it was unveiled in 2007 –  we no longer live in financial times…

* Unlike the reader might be thinking my parents have both majored in Chemical Engineering.

** I might agree there’s a limit to the extension and enforcement of it – for the sake of general population well-being – but still I deem austerity a necessary evil.

Fábula Portuguesa, com certeza!

Não há muito tempo estava o Zé Povinho a contemplar a sua pequena horta – pequena mas que sempre o abastecera satisfatoriamente – quando reparou que estava um pouco desguarnecida. Em anos anteriores já havia notado, pontualmente, que lhe faltavam alguns frutos e hortaliças mas como se tinham tratado de anos proveitosos, e alguma da sua colheita acabava por se estragar, não fez caso.

No entanto, à medida que as colheitas foram piorando começou a tornar-se mais observador. Mais desconfiado ficou quando se apercebeu que uma parte dos seus rebentos desaparecia quando recebia a visita do seu Amigo da Onça.

Num belo dia – força de expressão – o Zé Povinho confrontou o Amigo da Onça. Atarantado e com notórias culpas no cartório, o Amigo da Onça, empurra o Zé Povinho para a boca dum poço bem fundo que “por azar apareceu ali”.

“E agora?!  Que faço?!”, afligiu-se o Amigo da Onça. O incidente não passou despercebido e rapidamente se pensou em chamar ajuda. O pobre do bombeiro Ferreira foi o primeiro a chegar ao local mas não pode acudir porque não tinha meios. De qualquer das formas como o Amigo da Onça não queria que se descobrisse o que se passou prontamente assegurou que se tratara dum acidente e sugeriu que se chamasse o bombeiro Hans. Certamente o profissional oriundo da Alemanha estaria apetrechado para o resgate.

Assim aconteceu. Todavia quando aceitou fazer o salvamento, Hans, até porque envolvia meios dispendiosos, fez menção que esse resgate teria de ser pago. Pois, como o Amigo da Onça estava aflito pelo que havia feito – e convenhamos nunca primou pela inteligência –  aceitou as condições sem pestanejar nem tão pouco negociar.

Chegado ao local o bombeiro Hans informa o Amigo da Onça que vai precisar da sua ajuda enquanto opera os meios técnicos para resgatar o Zé Povinho. “Zé vais ser salvo! Chamei o bombeiro Hans que te vai tirar daqui. Não há problema, só tens de pagar o serviço dele mas não te preocupes eu negociei um bom preço!” afiançou o Amigo da Onça.

Entretanto o eficiente bombeiro Hans põe em curso a operação de salvamento. Como nunca foi de muitas palavras limitou-se a fazer o seu trabalho sem questionar como é que o Zé Povinho foi parar ali e muito menos o envolvimento do Amigo da Onça na questão. “Eles são amigos”, balbuciou Hans para se convencer do carácter acidental da coisa.

Incapaz de fugir à sua natureza o Amigo da Onça viu no “infortúnio” do Zé Povinho e na neutralidade – esperada – do bombeiro Hans uma oportunidade para continuar a pilhar a sua horta. Para ter sucesso bastava ir distraindo o bombeiro com insignificâncias.

A determinada altura, já inquieto com a demora em sair do poço, Zé Povinho irrita-se e começa a reclamar da falta de seriedade do usurpador do bombeiro Hans que lhe faz pagar um serviço para o qual o considera incompetente. “O que será da minha horta”, grita desesperado o “acidentado”.

Neste momento, enquanto lê esta fábula o Amigo da Onça continua a depauperar a horta do Zé Povinho enquanto vai fazendo manobras de diversão para alongar o resgate e evitar que se descubra a sua responsabilidade no “acidente”. O bombeiro Hans alheio às intenções do Amigo da Onça prossegue o resgate com maior ou menor dificuldade mas espera ser ressarcido pelo serviço. Já o desgraçado do Zé Povinho continua a desesperar por não poder cuidar da sua horta temendo vir a realizar ainda menores colheitas.

E você?! Que capítulo prevê que seja escrito em seguida?! Tardará muito o Zé Povinho a sair do “buraco”? Virá a tempo de impedir que o Amigo da Onça o deixe na penúria?! Quando regressar tirará satisfaçoes do seu Amigo da Onça ou assacará responsabilidades ao bombeiro Hans pela demora em surtir efeito o resgate? E este, alguma vez abandonará a sua “neutralidade” na questão? Perante a demora no resgate será sensível a uma redução nos honorários que irá cobrar ao Zé Povinho depois de avaliar a incompetência e má-fé do Amigo da Onça?!

Haverá alguma moral nesta fábula?

Nota do autor: Uma obra acabada é um produto final e é assim que é apreendida. Seja ela magnífica ou uma bela porcaria é passível de ser criticada pelo maior dos energúmenos. Porquê?! Porque não há mais nada a acrescentar. No entanto a todos lhe ocorre uma maneira distinta de a realizar ou concluir. Já as obras inacabadas sempre suscitaram maior fascínio no público. Porquê? Talvez seja pelo misticismo que encerra o exercício de interpretar o que ia na cabeça do autor ou sobretudo pela margem que se permite ao público de imaginar a sua própria conclusão. Talvez não seja nada disto e apenas lhes inspire medo ter de arriscar um desenlace…

Portugal aos seus donos!

“Nenhum governo reduz voluntariamente o seu tamanho. Os programas de governo, uma vez lançados, nunca desaparecem. Na verdade, um departamento governamental é a coisa mais próxima à vida eterna que alguma vez veremos nesta terra.” Ronald Reagan, ex-presidente dos Estados Unidos da América.

Portugal encontra-se refém de um destino bastante madrasto! Não há como negar. A dura realidade que enfrentamos – e ainda o que está por conhecer – concretiza-se na diminuição inequívoca da qualidade de vida que as gerações correntes foram alcançando e dará a conhecer um mundo menos auspicioso aos mais novos. No final, testar-se-ão os níveis de tolerância ao banho de água (bem) fria em que nos estão a imergir.

O Povo é que paga…

A nós, cidadãos comuns, têm-nos pedido para suportar todos os sacrifícios em nome de um objectivo superior: diminuir a dependência dos mercados de dívida internacionais para conservar o euro como divisa. Para o efeito, este governo tem apostado em devolver credibilidade internacional a Portugal, nos mercados financeiros, ao mesmo tempo que procura relançar a competitividade externa nos mercados de bens e serviços transaccionáveis. O seu principal enfoque tem sido a estabilização das contas públicas e o embaratecimento nominal do factor trabalho. Na prática isso tem-se traduzido num aumento asfixiante da carga fiscal sem que – até agora – se tenham alcançado as metas do défice fiscal que o governo havia assumido perante a troika.

Pois bem, posso estar equivocado mas estas medidas parecem querer responsabilizar o povo (entenda-se classe média no sentido lato) por ter “estado a viver acima das possibilidades”, como já muitas vezes se ouviu. Tendo em conta o equilíbrio de poderes entre representantes (democraticamente legitimados) e representados e o mandato de representação lasso de que gozam poder-se-ia dizer que os sacrifícios exigidos não são proporcionais. Ora, tendo em conta que o monopólio da representação política é detido pelas organizações profissionais, que a isso se dedicam, as medidas conhecidas ficam muito longe da interpretação mais estrita de equidade. Se me parece evidente que gozaram de plenos – e amplos – poderes para nos conduzirem a este (quase) naufrágio então também se afigura como razoável que ao se lhes assacarem responsabilidades se abra o debate para a revisão desse mandato de representação.

“Alto e para o baile!”

Que não haja ilusões! A dança das cadeiras já foi jogada até à exaustão! Nesta altura qualquer ida às urnas não pode servir de entretenimento ou distracção – como tem sido – para ninguém se não para os envolvidos na paródia. Já brincaram o suficiente! Se nos  estão a  tirar benefícios e regalias, se estamos a perder qualidade de vida , se nos querem impor a forma de aplicar o nosso vencimento, confiscando-o, e dessa forma restringindo-nos a discricionariedade e a autonomia em prol da preservação do euro então creio que se deva aplicar o mesmo receituário aos partidos políticos.

Como?! Retirando-lhes margem de manobra para dispor dos recursos do país e dos Portugueses para o (nos) depauperar. E o pior de tudo é que o fizeram (e ainda fazem) com impressões digitais mas sem julgamento! Como tal, está na hora de aumentar significativamente a contribuição dos Portugueses para o processo democrático de maneira a potenciar-se o poder do Povo, ou dito doutra forma da Democracia. De que forma?! Agilizar a mudança através destes 3 vectores:

  1. Transferindo uma parte relevante do processo de decisão, sobretudo as que envolvam medidas estruturais ou cujo impacto se perspective de longa duração, de volta para o povo;
  2. Num vector não menos importante de mudança há que eliminar, ou restringir assertivamente, todas as situações passíveis de gerar conflitos de interesse flagrantes entre as facções partidárias profissionais (e por inerência os seus membros) e os interesses da Nação;
  3. Não menos importante se afigura a necessidade de criar condições para um debate ideológico genuíno e acima de tudo construtivo. Para tal, há que facilitar a constituição de partidos políticos e com isso aumentar a concorrência entre os que já existem. Até porque é de falta de concorrência interna, particularmente em sectores chave da economia, de que padece a nossa competitividade internacional. No fim de contas, maior pluralidade, mais soluções, menos disparate!

As medidas

Como é sobejamente conhecido, a maior parte dos actuais regimes democráticos assenta na sua variante representativa ou indirecta. Basicamente, são eleitos representantes por sufrágio directo e universal que por sua vez ficam encarregues de conduzir os destinos do país produzindo legislação ou tomando medidas políticas para tal. Como tão bem (e infelizmente) sabemos conduz a resultados medíocres e a abusos de vária ordem por parte dos seus intervenientes pelo efeito subversivo provocado pelas falanges partidárias. A falta de mecanismos de controlo eficazes – eventualmente manietados politicamente – e o entorpecimento do Povo propiciaram esta acção cancerígena.

Assim sendo, uma vez que as organizações partidárias há muito deixaram de ter nas suas fileiras os mais capazes, os mais dotados e muito menos os mais sábios há que neutralizar o seu livre arbítrio acrescentando mais Povo à fórmula do processo de tomada de decisão. Revisitando os 3 vectores:

1. Reduzir o poder de decisão admitido à democracia representativa pura.

Se o Povo pudesse opinar ou participar no debate das decisões que mais comprometeram o futuro de Portugal certamente não teriam seguido por diante. Por isso, ao percorrer o espectro das variantes do regime democrático pretender-se-ia aproximarmo-nos mais da Democracia directa (versão em inglês mais completa). No entanto, esta variante pura só faz sentido em universos populacionais muito reduzidos pelo que é impraticável (e indesejável) auscultar a opinião de todos os cidadãos. Ainda assim, poderíamos evoluir para uma de duas variantes: Democracia Participativa ou Democracia Semi-directa.

A Democracia Participativa, segundo a socióloga Brasileira Lígia Lüchmann, “trata-se de um conceito que está fundamentalmente ancorado na ideia de que a legitimidade das decisões e acções políticas deriva da deliberação pública de colectividades de cidadãos livres e iguais. Constitui-se, portanto, numa alternativa crítica às teorias “realistas” da democracia que, a exemplo do “elitismo democrático”, enfatizam o carácter privado e instrumental da política.”

A Democracia Semi-directa ideal de acordo com o autor Brasileiro Denis Moura “seria aquela em que a maioria, tendo poder de decisão sobre todas as decisões colectivas que lhe diz respeito, decide sobre as que considera mais importantes, ao intervir em quórum deliberativo maioritário sobre as mesmas, e delega a decisão sobre as menos importantes, por quórum deliberativo minoritário (e desta forma omissivo), aos representantes eleitos para este fim.”

Quanto às diferenças: “a democracia participativa pretende que existam efectivos mecanismos de controle da sociedade civil sob a administração pública, pressupondo assim uma prevalência da administração sobre os administrados, já a democracia semi-directa não pretende ser apenas mais um meio de controle da administração, mas ser a própria administração pública conduzida pela soberania popular.”

Por isso:

Se se optasse pela primeira modalidade seria necessário criar uma comissão constituinte (composta por especialistas ou não) para se pronunciar sobre algumas matérias ou assuntos mais sensíveis e que teria de ser comprovadamente  independente de filiações partidárias. Para a selecção dos elementos a integrar esta comissão fiscalizadora recorrer-se-ia ao sorteio puramente aleatório da amostra dentro do universo permitido. Este procedimento assemelhar-se-ia com a escolha do júri típica do processo judicial Norte-Americano. Para auxiliar na deliberação destacaria o Tribunal de Contas – óptimo a analisar, inócuo a sancionar – e assim resolver-se-ia o seu problema de “falta de garra”. Este variante democrática aplicar-se-ia aos assuntos mais sensíveis, mais controversos e  de maior impacto para o futuro do país (ou região, munípicio) a qualquer orgão legislativo ou executivo. A dar corpo a esta modalidade a Islândia que implementou “medidas como a criação de uma comissão constituinte de cidadãos sem filiação partidária que agora é consultada em quase todas as decisões políticas”.

A segunda modalidade é bem ilustrada pelo processo legislativo Suiço que se convida a ler. Na mesma linha de raciocínio se aconselha a leitura da experiência democrática levada a cabo na Suécia: o Demoex.

2. Pôr cobro aos conflitos de interesse que envolvam as falanges partidárias e os seus membros

A este nível, são várias as medidas práticas a implementar:

2.1. Admissões para o aparelho burocrático: definidas por legislação nacional – obviamente superintendida pela comissão constituinte competente – sendo o processo de contratação devidamente escrutinado no caso de não ter resultado de concurso público. Gostava apenas de enfatizar que a escolha para ocupar um dos cargos mais importantes na condução de política monetária nacional (e até mundial) foi publicitado num anúncio de emprego. Refiro-me à posição de Governador do Banco Central de Inglaterra;

2.2 Divulgação total da situação patrimonial dos representantes públicos e da sua família com particular ênfase nos cargos de direcção ou executivos. Quem não deve, não teme. A vida de um funcionário público de implica também exposição pública. Se a justiça não funciona então que se criem condições para mitigar a corrupção e o tráfico de influências;

2.3. Introdução de regras mais restritivas na contratação de especialistas de interesse público: o desempenho de um cargo público implica que não possa regressar à mesma empresa de onde procedeu para ingressar no estado por um período não inferior a 5 anos, após cessar funções. A docência seria recomendada. Seria também vedada a assunção de cargos executivos em empresas inseridas em sector chave da economia Portuguesa por igual período;

2.4 Escrutínio incisivo das relações promíscuas estabelecidas entre as sociedades de advogados e o Estado nomeadamente nos “departamentos de recursos humanos”.

2.5 Desfragmentar o mapa do poder local: e com isso cortam-se os tentáculos das falanges partidárias eliminando-se muitos dos seus bastiões!

3. Fomentar o debate ideológico construtivo

Neste capítulo a entrada de novos partidos na cena política nacional seria amplamente benéfico. Para tal há que remover barreiras à entrada e uma delas – a financeira – seria facilmente derrubada. Ficou-se a saber recentemente que o Estado gastou €209 milhões de euros (!!!) com os 5 partidos – os mais conhecidos – no último quinquénio. Menos para os corporativistas, mais para os emergentes.

Por outro lado, quando um programa eleitoral fosse apresentado nas vésperas de umas eleições passaria a ser vinculativo. O desvio significativo do seu cumprimento numa avaliação de base anual seria o suficiente para destituição.  Aposto que fariam campanhas honestas!

A Democracia é uma fraude?

Não, simplesmente tem de ser reformulada aumentando a participação da sociedade civil bem como a sua acção fiscalizadora muito para além do voto.

Rui Rio, actual presidente da Câmara Municipal do Porto disse, para quem o quis ouvir há dois anos(!), no programa “5 para a meia-noite” que o actual regime “estava caduco, esgotado”. Todavia ficou aquém de identificar, aqueles com quem se confundiu a introdução da democracia, aqueles que desde o início foram os interlocutores da população, como os agentes cancerígenos da Democracia!

Tal como Rui Rio, Ronald Reagan é também muito hábil no uso da palavra. Cabe-nos demonstrar ao antigo estadista Norte-Americano que está desactualizado e que Portugal é nosso e não das falanges partidárias!!!

Democracia travestida

“A democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempos”. Winston Churchill

Como o significado da Democracia tem parecido um tanto ou quanto difuso decidi recorrer a um dicionário (ou enciclopédia) para me inteirar da sua definição. Acabei por consultar a Wikipédia.

Lá vem expresso que o termo Democracia tem origem no Grego: δημοκρατία – (dēmokratía) “Governo do Povo”. Decompondo a palavra temos então, δῆμος– (dêmos) “Povo”, e κράτος – (Kratos) “poder”. A origem deste sistema político remonta a meados do século V a.C. quando foi implementado por uma série de cidades-estado Gregas, com destaque para Atenas, na sequência duma revolta popular em 508 a.C..

Basicamente, a Democracia no seu estado mais puro ou ideal seria uma sociedade na qual os cidadãos adultos teriam um parecer equitativo nas decisões que afectariam as suas vidas. Nesta modalidade, estaríamos perante uma democracia directa. Todavia, a forma mais corrente e à qual aderiram a maioria dos países (ditos) desenvolvidos é a de Democracia indirecta ou representativa. Esta forma de Governo assenta na eleição de pessoas que por sua vez ficam encarregues de representar os seus concidadãos nos órgãos de soberania.

Historicamente, este sistema político depois da primeira vaga na Grécia Antiga só voltou a ter expressão a partir do século XVIII em países como a França, os EUA e já no século XIX na Austrália e na Nova Zelândia. Mais recentemente, já no século XX, alavancados por fenómenos como a I Guerra Mundial, processos de descolonização, desmembramento de impérios (Austro-Húngaro, Otomano) e revoluções de autodeterminação levaram ao nascimento de mais estados-nação. Neste ambiente de rápida mudança optou-se na maioria dos casos por regimes democráticos.

No entanto, após o desencanto provocado pela devastação da Grande Depressão que eclodiu no final dos anos 20 a vaga de conversão democrática retrocedeu substancialmente. Rapidamente se criaram condições para o regresso de regimes totalitários como foram os casos de Portugal, Espanha, Alemanha, Itália, Japão, China e Brasil. Outros, entraram de forma (quase) forçada na esfera da União Soviética.

Só no pós – II Guerra Mundial é que a democracia ganha tracção e se alicerça no seio das principais economias da Europa Ocidental e Japão. A pregá-la, os EUA, como condição dos planos de ajuda financeira (Marshall). Todavia, a cruzada norte-americana esbarrava na Cortina de Ferro. Apesar dos esforços envidados a democracia conheceu, durante quase 50 anos, uma ideologia antagonista, o Social-Comunismo, assente no – até então percepcionado – poderio soviético.

É precisamente no crepúsculo soviético que o movimento democrático sai reforçado com uma grande parte dos seus anteriores membros a abraçarem o regime político do arqui-inimigo.

Mais recentemente o número de países que passou a consagrar na sua Constituição (nos que se deram ao trabalho) a realização de sufrágios para eleger os seus representantes não tem parado de aumentar. Independentemente de terem sido coagidos ou não pelas “virtudes do capitão América” a verdade é que países até há bem pouco tempo conotados com ditaduras ou regimes opressores têm engrossado o número de aderentes. Recorde-se a Primavera Árabe como exemplo recente.

O senso comum levaria a estabelecer uma relação causal positiva com uma correlação significativa entre a prosperidade dum país e o bem-estar e realização pessoal reflectido nos seus habitantes. Contudo a validação desta hipótese parece cada vez mais posta em causa. Principalmente no mundo ocidental (ou desenvolvido). Porquê?

Lidar com a mutação…

É incontornável o desencanto implícito com os subprodutos duma gestão imprudente nos regimes intitulados de democráticos. A crise económica com maior foco de incidência nestes países é o que mais se destaca. Naturalmente que este fenómeno fez emergir o descontentamento latente com o formato da democracia – desemprego, dificuldades financeiras, cortes e oneração no acesso a serviços públicos – incutindo um sentimento de revolta, de traição pelo desempenho medíocre dos seus representantes. Mas porquê?

Não será demais lembrar que na sequência da eclosão da pior crise económica antes da actual – que até atingiu a categoria máxima: Depressão – esse sentimento interrompeu a disseminação da outrora aclamada democracia. Como atenuantes poder-se-ia dizer que o processo na altura seguia numa fase embrionária e como tal outras vertentes como o Estado Social ainda estariam por implementar. No fundo, a falta de alicerces e de experiência desta primeira vaga democrática – na era Moderna – estarão associados ao seu fracasso.

E o que justifica o actual desempenho abaixo do par? Sim, é nos primeiros adoptantes e nos seus defensores seculares que se sente mais descontentamento. É precisamente nesses países que a democracia está em vigor há mais tempo. Estará o modelo esgotado?! Necessitará de reflexão para posterior revisão, reformulação?! Ter-se-á mutado para algo viciado?! Precisará de ser substituído?!

Hegemonia perniciosa

Para reflectir: numa altura em que a democracia caminha a passos largos para o regime político hegemónico (é de longe o maioritário) não estará esta tendência a subverter a sua essência?

É com a queda do império soviético que a democracia arranca imparável para se tornar o regime ambicionado e aclamado pelas massas. As suas virtudes, reflectidas acima de tudo na qualidade de vida dos países que a adoptaram não precisavam de luzir muito para seduzir as populações dos regimes autoritários/social-comunistas.

Muitas outras facetas da realidade socio-económica poderão ter contribuído para actual conjuntura desfavorável e consequente desencanto com a democracia. No entanto é legítimo pensar-se que enquanto houve regimes dissonantes os expoentes da democracia tudo tenham feito para provar aos demais que eram melhores, sem vícios, sem subversões, sem jogos de espelhos, com responsabilidade, com dedicação, com interesse público. Não será coincidência observar-se que o período em que o Estado-Social mais se desenvolveu – bem como a qualidade de vida das suas populações – ter sido, precisamente, no pós-II Grande Guerra até à ruína da União Soviética.

Dá que pensar: terá sido por ter deixado de ter um regime concorrente – à data considerado temível – que a democracia se “transformou”? Como se tivesse perdido a razão da sua existência: a oposição ao comunismo; como se tivesse que lidar com o desaparecimento do seu arqui-inimigo. Pois parece que à medida que se foi tornando hegemónica que os seus interlocutores deixaram de ter que provar o que quer que fosse. Sem ameaça e sem concorrente criaram-se as condições para a imprudência e para o experimentalismo e nalguns casos para prosseguir agendas pessoais em proveito próprio. É óbvio que para manter o status quo bastaria colocar as suas economias no caminho do crescimento e zelar pela defesa da qualidade de vida das suas populações. “Só isso”!

Evidências

Na verdade se olharmos à nossa volta podemos ver – muito bem se quisermos – um sem número de evidências que denotam quão desgastada está a democracia e como é fácil subvertê-la.

Basta por exemplo atentar que há regimes totalitários – todavia encapotados – cujos líderes/representantes são legitimados por eleições de faz de conta: Rússia, Venezuela, Angola. Democracias constitucionais?! Pois sim! Pelo menos na China não se engana ninguém.

Mais a mais as eleições são processos em que fazemos a nossa escolha num boletim ou numa maquineta cujos resultados são facilmente manipuláveis. Qual observadores da ONU qual quê? Se estiver “destinado” ao candidato que melhor serve os interesses…de alguma instituição ou grupo de pressão está feito o resultado. É fácil de mais. Não é preciso recorrer a nenhum exemplo de um país terceiro-mundista (que há muitos). Basta recordar o sufrágio que elegeu George W. Bush em 2000…

Adicionalmente, a democracia representativa através dos seus interlocutores principais – os partidos – é viciada quase com a mesma facilidade que as eleições levadas a cabo para determinar o “desgraçado” que ia ser delegado de turma no 5º ano. Como?! Muito simples. Faz-se crescer todo o aparato directa e indirectamente ligado ao poder que para manter o status quo vão certamente às urnas votar no seu “patrono”. Que se entende por aparato?! Não é preciso puxar muito pela cabeça. Pode não chegar para ganhar umas eleições mas chega sem dúvida para uma base bem razoável. O arranjinho no intervalo antes da votação para o delegado turma também não era infalível…

Como corolário destas evidências estão:

– as taxas de participação em actos eleitorais: tanto menores quanto maior a desconfiança e o descrédito da “democracia” em causa;

– a opinião positiva dos Italianos sobre o seu governo de salvação nacional – que não resultou de eleições – e a sua vontade que continue em funções evitando nova ida às urnas;

– na taxa de aprovação da actuação do Congresso Norte-Americano que renovou em Agosto deste ano um mínimo histórico de 10% medida pela sondagem levada a cabo pela Gallup ou outras que traduzem o mesmo. Estamos a falar dos – arrogados – expoentes máximos da democracia e os seus maiores defensores – e pregadores – mundo fora.

Revisão de mandato…

Em Portugal, depois dos tempos sombrios da ditadura do Estado Novo, várias organizações partidárias perfilaram-se para aproveitar o mandato outorgado pela população eufórica para governar o país. De tal forma que depositou nas mãos destas facções, num péssimo negócio quanto ao equilíbrio de forças, a gestão do destino da nação.

Assim sendo, os “partidos políticos” mais resilientes conceberam o seu Jardim de Éden mandatados para governar o mundo real. Pelo meio, pela falta de controlo democrático do eleitorado, tomaram decisões questionáveis e outras lesivas do interesse comum, algumas por flagrante incompetência e outras envenenadas pela corrupção em proveito próprio ou a favor de organizações ou grupos afiliados.

É pois urgente rever esse mandato…

– atribuição de plenos poderes para legislar – se para aí estiverem virados – incluindo em proveito próprio;

– uso (praticamente) discricionário dos recursos do país livremente para tomar decisões que podem impactar o destino do país e dos seus concidadãos a longo prazo;

– tudo isto sem qualquer plano vinculativo em termos de metas ou objectivos a alcançar.

…e a forma como a representação do povo é controlada…

– sem instituições (competentes porque politizadas) que apesar de criadas para o efeito não realizam qualquer controlo dos desmandos da classe política;

– esperando que o depósito dum voto singelo de tempos em tempos cumpra esse poder fiscalizador?!?!

Ora, as eleições são processos que as facções partidárias dominam bem e cada vez menos representam a vontade da nação:

– como se defendeu acima podem ser subvertidas pelo desenvolvimento de falanges;

– sem haver nada que os vincule ao programa eleitoral mentem descaradamente – ou se quiserem fazem promessas completamente desfasadas da realidade – antes de serem sufragados;

– o escrutínio das facções não dura nem sequer 12 horas (fechando as urnas cessa o controlo democrático exercido pelos cidadãos);

Por tudo o que se escreveu entendo que o actual momento é crucial para se iniciar o debate para reformar – requalificar, regenerar, recuperar, eu sei lá – a democracia. Penar, já sabemos que vamos penar, agora, que criemos mecanismos para não cairmos no mesmo buraco. Além disso esta gente que enche as fileiras das falanges partidárias – cuja agenda se sobrepõe à da nação –  já deu provas mais que suficientes de incompetência e de falta de honestidade e integridade.

O que conhecemos hoje está longe de ser uma democracia. Chamem-lhe cleptocracia – já com nuances de plutocracia – ou oligarquia mas o povo está longe de ter qualquer poder significativo.

Na verdade até está mais perto de ser uma ditadura. Uma ditadura partidária de mais de 35 anos que concentrou em 2 partidos o poder e com resultados tão nefastos como a que a precedeu…

A minha proposta para reclamar poder (e responsabilidade) para o povo será apresentada brevemente

Exemplo da Islândia

Digging into the roots of Portugal’s downturn

Portugal is a small, leveraged and imbalanced economy inserted in the EU since 1986. Currently it is under EU’s financial assistance programme following worrying signs of distress on its public debt about a year ago. It turned out this event represented Portugal’s economy (and society) “day of reckoning”.

Sterile green shoots

A former colonial great that has been languishing ever since the proclaimed independence of Brazil in the beginning of the XIX century. Without the important stream of revenue stemming specially from the trade of gold and soft commodities like cocoa and coffee the following decades saw the aggravation of Portugal’s economic demise.

In fact, back in the late XV century, Portugal had propelled itself to a century of great prosperity when a generation of visionary and brave sailors – Ínclita Geração [Notable Generation]found its way by sea to the then remotest places on earth. At the time the country had established itself as a proficient and sole trader of valuable commodities connecting the suppliers – were it in India, Brazil, Java, coastal Africa or Japan – and its customers in Europe. The competitive advantage consisted of the more economic and faster way of doing the trade: through sea.

Soon, as the money poured in large sums the royal crown mistakenly opted to expand the borders of the empire overseas as other European countries started to dispute some of Portugal’s possessions. This effort proved to be a little bit too much to Portugal’s already overstretched army and naval fleet. By the end of the XVI century, the Spanish king took advantage of its neighbor’s greed and capitalized on its feebleness claiming the Portuguese crown.

Under the Spanish rule the country was stripped of a quite a few overseas possessions and hence some commodities exclusive trade. Eventually it reclaimed its independence sixty years later and soon plugged again into the Brazilian gold trade to support the crown’s, the nobles’ and the wealthy merchant families’ careless bourgeois style of living.

After the decline of the Portuguese empire, and as the conquest drive faded away, the restlessness of the Portuguese people turned indoors. Civil war, political fights, social unrest, coupe-d’états, and its many attempts, would take place frequently through time until the 1930’s.

At this juncture, it was the combination of both naive overreliance on the commodities’ trade revenues and perennial social unrest that drove Portugal out of a sustainable growth path.

  • The former dashed Portugal’s chances to sit on the saddle of the industrial revolution. In fact, the dependability on the commodities’ markets receipts overshadowed the importance of modernizing its inland economic activity. This issue only started to make part of the government’s agenda late into the XIX century when its ruling elite Portugal started to struggle without the means to finance its lavish style. That implied that except for some agricultural based goods every other manufactured ones were imported.
  • The latter combined to the desperate actions to take hold of the Industrial bandwagon lead to the depletion and misuse of the country’s treasury. Hence the country would find itself bankrupt twice in less than ten years at the turn of the XX century.

Falling further back…

If things weren´t looking bright in that troublesome first quarter of the XX century they would get undeniably worse, economically speaking. An authoritarian regime would impose itself on the people to fix the abovementioned disruptive problems.

So, in order to clean up the house, the ruling party deliberately restricted the people’s freedom, prohibited any kind of opposition and introduced censorship to filter every kind of information or data that could jeopardize the regime’s order.

In the economic field entrepreneurship was severely crippled whereas to start a meaningful business in key sectors one would have to apply for permission to a panel composed by members of the government and the industrial oligarchy. Hence, freedom of establishment was limited mostly to low value added services like restaurants, bars, bakeries or newsstands and competition in key sectors was simply locked in a cage.

Meanwhile, the people remained hovering around the poverty threshold with limited access to basic social facilities and infrastructures. The middle class was nowhere to be seen at this stage.

Back to the heydays

In the 1970’s following a, so called, popular revolution – it was more of a military coup – democracy made its way through. At the same time Portugal relinquished its former colonies in Africa putting an end to almost 15 years of independence grueling wars.

Unavoidably, the vacuum created by the dictatorship overthrowing lead to a Bill of Rights framework too rich in rights and neglect on duties. In a matter of days the population went from a choked free will to a libertarian will. Lots of excesses were made and the country would soon find itself bankrupt and under financial assistance from the IMF in the early 1980’s.

After successfully managing to repay the IMF’s loans, balancing national accounts’ major aggregates and taming inflation                Portugal was admitted to the European Union (then, European Economic Community). Soon, Portugal would be gorging itself in a flood of money coming from Brussels awarded under cohesion and structural convergence policies. From then until the turn of the century standard of living improved significantly and so did the well-being.

These achievements and Europe’s unrestrained generosity lead to a fake sense of wealth. Debts to foment consumption started to pile, which in turn inflated Portugal’s imports, contributing to prop up the country’s indebtedness to fund its current account’s successive shortfalls. In the meantime, hazardous political decisions would come by the dozen such as replicating (unconditional) social policies from northern Europe countries targeting low to no income families/individuals or the construction of expensive and idle infrastructures: overlapping motorways, bridges, tunnels, roundabouts, stadiums, etc., just to name a few.

Rude Awakening

Effectively, the Portuguese economy lacks width but most of all depth. The truth is that the majority of businesses is small scale services and of low value added. Industry is mostly confined to family owned small and medium-sized enterprises (SME) using low-skilled labor. Apart from these you get medium sized companies that are branches or representation units of higher value added operations of multinational companies whose profits are repatriated. The only large companies belong to sectors that were under the state protection from competition in the past and who still exert their clout: telecommunications, energy, utilities, financials and engineering & construction. In the tradable goods department the main exports are – still – low price tagged items such as clothing, shoes, wine, paper or cork, for instance. This means that very little has changed throughout the years. This concurs to Portugal’s scarcity of growth drivers.

Every now and then the puncture of the thin line between business making and the political power is a freedom of establishment strong deterrent. Strikingly is the conflict of interest that emerges from law drafting blurs that allow these suspicious actions to go around unpunished. Besides the legal framework complacency the judicial system seems stuck in the 1970’s. It takes too much time to issue verdicts and it is very expensive. This, of course, hinders business making, too.

The society is all but cohesive. There are times where it seems that is “every man for himself”. Disturbingly, free riding is a common place that goes unchecked most of the times: be it in tax payment, subsidies entitlement, use of public goods, European cohesion funds deployment or even in ordinary things like waiting on a line. The problem is that accountability is hardly seen when (serious) wrongdoing takes place.

Currently, austerity mode is on and while it is, Portugal has a mountain to climb amid a storm of international headwinds. Despite the delicate situation it’s facing, it is a country with a sought-after skilled labor force that is capable of putting the country in the right track. If it weren’t for the roadblocks created by the most influential political parties permanent disarray that run it, Portugal would be in a firmer footing. In fact there have been a whole lot of evidences that these organizations aren´t particularly tuned into seeking the best for their country. Unlike Ínclita Geração long term envisioning that set Portugal’s golden era in late XV century this generation of – “so called” – leaders has really short sightings! Particularly when these parties’ agenda is set to endure their tenure on the job (the government, a city hall, etc.). And especially when a “musical chairs” outcome pushes the late incumbent party out of the game and its job is mostly scratched, as their people.

Recently, the state of affairs has been similar to the one Portugal witnessed after Brazil’s independence in the XIX century. After squandering the windfall of EU’s convergence subsidies and the easy money era (very unlikely its return), Portuguese have to toughen up and to actively participate of the restructuring plans ahead of them. That’s precisely what they haven’t done until the economic crisis stroke the country. Poor judgments were being done for years as everybody turned a blind eye while eagerly chased easy and plentiful money. So, finger-pointing is useless and won’t do any good, at this stage.

The Portuguese can’t simply leave it on the hands of those who drove the country to this deadlock and do nothing…once again. The setting is pretty dire and the structural challenges are tremendous. Cohesion, accountability and long term planning must be dragged into the recipe…

Otherwise hope will not suffice to overcome hopelessness!

Miguel Albuquerque (21-03-2012)

Está de ressaca?! Embebede-se mais um pouco… (II)

Parte II

O que é que está a correr mal?

Presentemente, a persistência de taxas de juro reais de curto prazo negativas – e não muito longe disso a médio e longo prazo – e os elevados níveis de liquidez têm-se revelado ineficazes para ressuscitar a actividade económica. Senão vejamos:

  • a diminuição drástica do preço relativo do dinheiro deveria ter levado à substituição de poupança por consumo/investimento – nem por isso;
  • com o embaratecimento do preço do dinheiro seria expectável que a percepção do poder de compra dos agentes económicos viesse ampliada. Isso reforçaria a opção pelo consumo/investimento – não foi o caso;
  • a prazo, uma vez que estas medidas se alongariam no tempo era suposto os agentes económicos sentirem-se encorajados a fazer mais uso do seu rendimento perante um cenário com menos constrangimentos. Ainda assim este efeito riqueza favorável não surtiu o efeito desejável mesmo depois da escalada que “parecia imparável” nos activos de risco já mencionados.

O que é que está a correr mal?! Para começar, é um dado adquirido que as autoridades monetárias – bancos centrais – definem e induzem a política monetária. Todavia dependem largamente de outro elo as outras instituições criadoras de moeda – bancos. Pois são estes últimos que depois das perdas registadas com o crédito concedido com pouco critério, num primeiro momento, e mais recentemente com a incerteza relacionada com o enquadramento regulamentar do sector que têm condicionado o objectivo governamental de alimentar a economia com crédito barato. Alguns dedos acusadores que pregam retórica insidiosa responsabilizam as instituições financeiras de não cumprirem o seu “papel social”. Na verdade apenas aplicam a disciplina e o rigor que lhes são exigidos na concessão de crédito. Ainda assim, o problema maior é uma notória redução da procura agregada que por sua vez se reflecte numa contracção nos créditos contratados.

Foi a degeneração do sector financeiro “sombra” que aniquilou a procura agregada marginal forçando as empresas mais alavancadas ou com margens de exploração mais magras a fechar. As políticas de sustentação da procura conjunturais implementadas pelos governos e as redes de protecção social evitaram que a sangria de postos de trabalho fosse maior.

A necessidade de corrigir os défices orçamentais dos Estados, de dar continuidade ao processo de desalavancagem quer das famílias quer das empresas e as fracas perspectivas de crescimento económico conduzem todos à mesma tomada de posição: aumento da poupança. Se nesta conjuntura o aumento de receitas se adivinha bastante complicado então terá de ser maioritária e forçosamente do lado da despesa que o ajustamento se fará. Seja nas decisões de consumo, que combinadas deprimem ainda mais a procura agregada, seja nas decisões de investimento por parte das empresas ambas dão corpo a uma redução da escala da despesa e concorrem ambas para o aumento do desemprego e consequentemente para novo golpe na procura. De referir que a volatilidade na amplitude e duração das políticas de austeridade agudiza a necessidade de realização de poupança e de contenção dos gastos o que por conseguinte reforça o impacto negativo na procura agregada.

E agora?! O que fazer?!

Nesta encruzilhada de: revisão em baixa do produto potencial; luta contra a ameaça da deflação, correcção de défices orçamentais; grande incerteza legislativa ao nível fiscal e de enquadramento regulamentar da banca; subida da fasquia do desemprego estrutural, a cartilha que serve de guião para os políticos actuais parece obsoleta.

Quanto à riqueza gerada a nível global – exceptuando os focos de crescimento centrados nos países emergentes – teremos de nos contentar com um ritmo mais lento. Ressalva-se a descoberta de algum mecanismo, uma mudança de paradigma, que potencie a produtividade dos factores e que permita uma acumulação de riqueza mais sustentável do que aquela proporcionada pelo sistema financeiro “sombra”.

A deflação continua a pairar sobre a actuação dos Bancos Centrais que têm recorrido a políticas não ortodoxas de monetização de dívida pública avolumando os seus balanços para aumentar a base monetária. Com isso procura-se aliviar os constrangimentos no financiamento a curto prazo da banca colocando à sua disposição liquidez com custo negligenciável ou mesmo abaixo das taxas directoras (como acontece com o BCE). O que se tem observado na prática tem sido uma progressão lenta dos agregados monetários e uma diminuição da velocidade de circulação da moeda, reflexo duma menor procura por moeda, logo por empréstimos. Todavia, a única inflação que as medidas de fomento de liquidez induziram foi a que proveio dos mercados financeiros:

  • o único efeito detectável na taxa de inflação da economia real foi alimentado pela subida dos preços das commodities. A reciclagem de dólares americanos levada a cabo pelos países emergentes nos mercados de commodities e o interesse despertado nos investidores especulativos complicaram ainda mais a conjuntura ao aumentar, num primeiro momento, os custos de produção canalizados posteriormente, nalguns casos, para os consumidores;
  • fora da compilação de dados estatísticos para o apuramento da taxa de inflação, a enxurrada de meios líquidos canalizados para o sistema financeiro, a redução dos prémios de risco bem como o custo de oportunidade da liquidez negativo (leia-se taxas de juro reais de curto prazo negativas) reflectiu-se na escalada dos preços dos activos financeiros de risco já anteriormente mencionados. Aliás perante a abundância de dólares americanos – um dos bancos centrais mais generosos – assistimos a uma tendencial depreciação desta divisa e à valorização dos activos de risco denominados , maioritariamente, nesta moeda.

Os países em ciclos de austeridade fiscal além de estarem, como já foi referido, a acentuar a contracção na actividade económica estão também a contribuir para a paradoxal sustentação da inflação com a oneração dos bens e serviços. Quanto ao processo em si a necessidade de reequilibrar os orçamentos fiscais proporciona uma oportunidade única para os governos corrigirem a trajectória insustentável das finanças públicas bem como para redefinirem o papel do Estado na sociedade.

As incertezas, legislativa ao nível fiscal e, de enquadramento regulamentar da banca assumem-se como nuvens cerradíssimas a ensombrar a actividade económica. São estas que impedem as famílias e as empresas – agentes económicos mais numerosos e relevantes da economia – de tomar decisões firmes de consumo e investimento a médio/longo prazo. A confluência destes dois vectores contribui, como já foi aqui apresentado, para uma retracção maior de ambos e consequentemente da actividade económica.

Esta questão leva-nos ao problema maior: o aumento do desemprego estrutural (com tendência a agravar-se pela crescente mecanização da actividade económica). Isto explica-se pela retracção do produto potencial e pelo actual excesso de capacidade instalada na economia global. O mesmo é dizer que esta se encontra sobredimensionada para aquilo que é considerado o “novo padrão normal” de consumo. Isto explica também em parte as reservas que as empresas colocam em pôr em prática planos de investimento: não há procura para a escala em que se encontram. Ou se dá continuidade aos movimentos de fusão e aquisição que tiveram início logo após a normalização do primeiro impacto da crise financeira ou então continuaremos a assistir ao emagrecimento dos balanços das empresas. As consequências estão à vista sendo que banca é claramente o candidato mais forte a esse movimento de consolidação. Já se sabe que estas operações não são propriamente criadoras de postos de trabalho. O que acaba por ser mais preocupante é essa capacidade excedentária de mão-de-obra, principalmente nos países desenvolvidos, que só a demografia pode pôr cobro. Explorar o melhor momento dos países emergentes pode ser uma saída mas não se afigurará duradoura. Enquanto não encontramos antídoto para esta doença “Deus nos livre” duma pandemia – a sério – ou pior, duma guerra. O desemprego estrutural acima da média tem sido um denominador comum destes fenómenos…

Fica patente, pelo que se disse, que é manifestamente impossível retomar a “festa” de outrora. Dar mais álcool para evitar a ressaca é contraproducente. O mesmo é dizer que as políticas económicas implementadas até aqui têm-se revelado ineficazes porque procuram o regresso à tendência anterior pouco saudável. É tempo de ressacar, expurgar os excessos, dar as mãos e enfrentar os desafios enunciados, unidos. Para tal é fundamental que os governos do grupo de países mais afectados cheguem a um consenso abrangente. Meias medidas e unilateralismo não chegam. Para o futuro convém repensar os mecanismos que previnam a ocorrência de bebedeiras desta magnitude.

Em nota final refira-se que nunca se viu um governo não ser reeleito com uma economia fulgurante. O mesmo é dizer que é raro ver o dono do bar que não continue a fazer chegar bebidas alcoólicas a quem já esteja visivelmente embriagado. Quando é que deixa de o fazer?! Ou quando o cliente cai para o lado ou quando deixa de ter dinheiro para lhe pagar…

Miguel Albuquerque

(26/10/2011)

Está de ressaca?! Embebede-se mais um pouco…(I)

“The era of procrastination, of half-measures, of soothing and baffling expedients, of delays is coming to its close. In its place we are entering a period of consequences.”  Winston S. Churchill

Parte I

O consumo actual pode ser feito com recurso a rendimentos actuais e futuros. Basta para isso abdicar o consumo futuro antecipando o respectivo rendimento para o presente. Basicamente sacrifica-se o amanhã para desfrutar de maior prazer, gozo, utilidade – porque é isso que se vislumbra – hoje. Donde se infere que – coetris paribus (os economistas adoram esta expressão) – se se abusar do consumo no presente, o futuro terá de ser marcado por maior constrição. Naturalmente que nesta proposição se assume que o rendimento não é infinito e funciona, em qualquer dos momentos, como uma restrição natural ao consumo.

Da mesma forma não é descabido pensar-se que quando se esvaziam uns quantos copos com o intuito de potenciar a diversão presente, se possa comprometer o dia seguinte. Quanto mais ébrio no presente – “chavão de economista” – mais difícil será o dia seguinte.

As similitudes não se esgotam nos enunciados: ambas comportam problemas parecidos e dilemas justapostos. Num raciocínio rápido surgem os dilemas: “quando é que se deve parar de antecipar o futuro?” e “a quem cabe ditar o fim da senda?” ou mesmo “depois de se ter exagerado na medida, o que fazer?”. Regressar-se-á a estas questões mais à frente.

A Sombra

A mudança de valores induzida pelo período pós-II Guerra Mundial no mundo Ocidental orientou as famílias para uma tendência intensiva em consumo. Fenómenos como abolição de classes sociais, a disseminação da democracia, a melhoria nos cuidados medico-sanitários que alargaram a esperança média de vida, a paz e o compromisso global de evitar nova guerra a todo custo, o esforço virtuoso da reconstrução, a criação e desenvolvimento do estado-social assente em conceitos de justiça e equidade deram início à senda.

Até ao início da década de 80 a trajectória definida entre o nível de endividamento no sistema financeiro e o crescimento da riqueza mundial evoluiu de forma paralela. Ou seja, a proporção embora crescente evoluía a taxas de crescimento marginais. É precisamente no início desta década que o crédito dispara assim como o rácio entre este e a riqueza.

Para esta tendência contribuiu o aparecimento de um sistema financeiro “sombra” (1) e políticas monetárias francamente expansionistas preconizadas pelos principais bancos centrais a nível mundial. Ora, este irmão bastardo do sistema financeiro convencional, cresceu e desenvolveu-se alimentado por este último.

Bebedeira

Com efeito, a “sombra” contribuiu, desde o seu aparecimento, em larga medida para que a festa continuasse e que os copos cheios regressassem ao bar, vazios. O mesmo é dizer que o consumo foi atingindo patamares cada vez menos comportáveis para o rendimento corrente pelo que o mecanismo de antecipação de rendimento foi usado para além do sustentável. Casas, carros, plasmas, sofás, piscinas, barcos, férias, computadores, podia ambicionar-se a ter-se tudo. Era só pedir, usar e depois pensar em pagar mais tarde. A “sombra” – qual banha de porco utilizada pelos Polacos para absorver o álcool nas maratonas copofónicas – aconchegava tudo sem reservas e sem olhar à proveniência ou à qualidade dos subjacentes. Porém, para tudo há um ponto de saturação. Há sempre um momento em que a euforia dá lugar à má-disposição que por sua vez leva ao vómito. Por muita banha de porco ou manteiga que se faça descer pelo esófago  e/ou por muito boas que sejam as bebidas o resultado, se não houver disciplina, é o refluxo gástrico. Foi precisamente no refluxo da “sombra” em 2008 que se constatou que nem tudo o que entrou no seu âmago era de qualidade. Muitos dos créditos subjacentes apresentavam garantias débeis o que alavancado pelo abrandamento económico conjuntural culminou numa intoxicação sistémica.

Ressaca violenta

Quando se abusa – do álcool ou do recurso ao crédito para consumo – a ressaca é violenta. Neste caso foi de tal ordem que a perda de valor dos produtos estruturados complexos (com a expectativa de se agravarem rapidamente) e a dependência de financiamento de curto prazo fizeram com que houvesse uma corrida sôfrega para a obtenção de liquidez. No rescaldo duma valente embriaguez, descubra as diferenças…

No entanto como esta ressaca assumia proporções ímpares, a necessidade por liquidez fez subir o preço da mesma para níveis alarmantes. Esta situação, num primeiro momento, além de ter despoletado várias falências em vários “actores” do sistema financeiro “sombra” veio também colocar em cheque o próprio sistema financeiro “convencional” ao onerar substancialmente os custos de financiamento à banca. Como se isso não bastasse, em resultado das ligações estabelecidas entre os dois universos, as perdas na “sombra” começaram a impactar o sector “convencional”. À medida que se ia conhecendo a extensão dos danos, a desconfiança começou a instalar-se o que complicou ainda mais a alocação de liquidez. Os intervenientes nos mercados monetários – bancos incluídos – pura e simplesmente não transaccionavam liquidez.

Esta convulsão colocou em disrupção vários segmentos dos mercados de crédito – salvava-se a dívida soberana dos países com moeda forte: dólar americano, euro, franco suíço, libra esterlina e iene – e dada a sua preponderância na actividade económica, os Estados dos países mais afectados intervieram.

Enxurrada de liquidez

Numa operação concertada a nível global entre autoridades monetárias (Bancos Centrais) e Governos desbastaram-se taxas de juro directoras, emitiu-se dívida pública em larga escala, aumentaram-se de sobremaneira as bases monetárias em várias moedas e levantaram-se restrições nos swaps cambiais para acalmar a ressaca que nos primeiros dias manifestou-se altamente desestabilizadora do sistema. Com isso procurou-se interromper o rastilho da dinamite que ameaçava o sistema financeiro “convencional” e assim evitar uma depressão na actividade económica que já começava a ganhar forma.

Objectivamente para sustentar a economia real os Estados entraram em cena para reatar o funcionamento dos mercados financeiros quer injectando capital nos bancos à beira do abismo, quer criando planos de financiamento às empresas nos mercados monetário e de capital actuando como avalista ou mesmo financiador, quer mesmo garantindo o funcionamento dos mercados de crédito colateralizados (hipotecário e pessoal).

Do ponto de vista económico-financeiro procurou-se evitar o enraizamento de expectativas deflacionistas, embaratecendo de tal forma o preço do dinheiro de forma a obter taxas de juro de curto prazo reais negativas. Ao empurrar as taxas de juro de curto prazo para baixo e ao reduzir o prémio de risco implícito nos mercados financeiros “impôs-se” uma curva de rendimentos (yield curve) de inclinação positiva. Assim proporcionaram-se condições mais favoráveis para a actividade económica e mais concretamente para os bancos e para a seu negócio nuclear: financiamento a curto prazo a taxas baixas para aplicar ou conceder empréstimos a prazos mais afastados e a taxas superiores.

Neste quadro de intervencionismo nos prazos mais alargados e nos segmentos mais problemáticos dos mercados de crédito devolveu-se a confiança e a estabilidade de que dependem o normal funcionamento dos mercados financeiros. Com efeito, estas manobras divertiram o enfoque dos investidores para outros segmentos dos mercados de crédito que na altura cotavam ao nível do cataclismo que havia sido evitado. A dívida corporate nunca registou tantas emissões nos últimos 3 anos nem em condições tão favoráveis. O ano transacto ficou mesmo para a história como aquele em que se bateu o recorde em volume de emissões especulativas (high yield). A banca por seu lado ganhou duplamente: aliviou o balanço ao libertar-se do ónus de contribuir para a recuperação da economia real através da concessão de empréstimos e encaixou níveis recorde de comissões ao montar as emissões obrigacionistas das empresas. Já os activos de risco (acções, commodities, high yield) com toda esta moldura favorável encetaram uma fulgurante recuperação.

Apesar da economia global ter dado sinais de uma pálida recuperação a ameaça de deflação (no mundo desenvolvido) não foi completamente afastada, o desemprego não tem parado de subir e as contas públicas a caminhar para a ruptura como resultado do intervencionismo estatal.

(1)    Sistema financeiro sombra: estimula o efeito multiplicador de criação de moeda por parte do sistema financeiro convencional. O seu efeito pernicioso advém de: (1) ter absorvido – no seu auge – uma proporção apreciável da liquidez financeira global retirando-a do circuito corrente; (2) investir em activos financeiros reais que depois de entrarem na “sombra” desmaterializam-se, desaparecem num primeiro momento só reaparecendo quando colocados nas mãos de algum investidor empacotados num produto complexo (Exemplo:. Ocultou o chamado lixo tóxico assente em hipotecas com garantias ténues – sub-prime – empacotados em produtos de tal forma complexos que nem as agências de rating – que os ajudaram a criar – conseguiram discernir o seu ADN. O desfecho todos conhecemos); (3) ser opaco e desregulamentado, ou seja, desconhece-se o que inclui ao mesmo tempo que se realizam operações questionáveis quanto à sua efectividade e legalidade. A “sombra” é composto pelo universo dos hedge funds (grande proporção), offshores, ramificações suspeitas de balanços (SPVs), fundos de investimento soberanos (!).

Miguel Albuquerque

(26/10/2011)

O Lado Negro do Petróleo (IV/IV)

rtr4e8xk

Para fazer jus, ao título remato com razões de carácter geopolítico que a opinião pública teima em ignorar:

  • Comecemos pelo simples facto de que o principal consumidor de petróleo é também um dos principais importadores. Se pensa que estou a falar da China, quase que acertava – hoje consomem praticamente o mesmo, por ano. A grande diferença reside no facto dos Estados Unidos da América (EUA) serem também um dos maiores produtores ainda que exporte muito pouco, ou nada. Onde quero chegar? Atente neste quadro:screen shot 2014-12-18 at 10.30.01 amQuantos destes países exportadores de petróleo estão sob esfera de influência dos EUA, ou se revelam não-hostis para os seus interesses? E quantos estavam há 20 anos? E há 30? Ou mediante expedições militares de legitimidade (muito) questionável, ou recorrendo à sua organização governamental sombra – a CIA –, os EUA têm levado a água ao seu moinho no tabuleiro geopolítico. Invariavelmente, os poços de petróleo estão sempre metidos ao barulho.
  • Desde que me conheço como gente, lembro-me de nos ensinarem na escola, que o petróleo era uma matéria-prima vital para todo o mundo e que se esperava que as suas reservas esgotassem mais ou menos uma geração. Isso foi no final dos anos 80 e, quando se começaram a mostrar filmagens de ataques aéreos no Iraque em 1990, entendi que o acesso ao crude não era para se negligenciar. Mais de 20 anos decorridos, a premonição assustadora mantém-se, ainda que hoje em dia se falem em 50 anos, tendo em conta o ritmo de exploração. Serão dados rigorosos? Farão algum sentido? Quem fez as estimativas? Quem beneficiaria com o esgotamento das reservas de petróleo no resto do mundo, quando está sentada sobre um manancial soberbo, do qual não abre mão? E se de facto “alguém” souber que a escassez de petróleo é um logro? Isso não iria minar toda a estratégia de assegurar fontes de abastecimento seguras por regimes escolhidos a dedo? Isso não faria com que o petróleo deixasse de ser “tããããooo” importante? Às tantas também os EUA perderiam muito do seu aparato de superpotência…
  • Antes, referi como o desfecho da reunião da OPEP em 27 de Novembro último fez cair a cotação internacional do crude pela recusa da Arábia Saudita em reduzir a sua quota de produção. As primeiras reacções – vindas do outro lado do oceano – apontaram o dedo aos Sauditas, insinuando que a sua intenção era a de eliminar a concorrência dos projectos norte-americanos (EUA e Canadá), que exploram jazidas de petróleo menos convencionais e recorrendo a tecnologias mais dispendiosas. A acusação referia ainda o baixíssimo custo de extracção de petróleo Saudita (abundância, baixa profundidade, crude de elevada qualidade) lhes permitia aguentar um período mais ou menos longo de menores retornos. E por que haveria o regime mais do que amigável da Arábia Saudita pisar os calos aos aliados norte-americanos? A isso já não conseguiram responder…(5)
  • Já foi aventado aqui que, além do preço contratualizado pelos barris de petróleo extraídos (não os dos mercados internacionais), o crude é uma importante fonte de receita de impostos e royalties para os regimes de muitos países, inclusive de países hostis aos interesses americanos (ver imagem). screen shot 2014-12-11 at 9.05.03 amOra, não fará mais sentido interpretar esta descida mais expressiva da cotação internacional como uma tentativa de fragilizar governos que não morrem de amores pelos EUA e utilizar um aliado para levar a tarefa a cabo? Sublinhe-se que este tipo de “jogada de xadrez” já foi utilizada no passado, mais que uma vez (6)…Pergunto: quem é que sofre mais com a queda do preço do petróleo, não estando debaixo da asa protectora dos EUA? Pergunto novamente: seria sensato desafiar para uma guerra aberta um adversário, cujo poderio possa infligir muitas perdas (materiais e humanas) e cujo vencedor teria mais a lamentar que a festejar? E se se conseguisse enfraquecer o adversário por dentro, evitando assim uma carnificina? Seria de génio, não concordam?

Não é à toa que lhe chamam “ouro negro” , pois não?!

(5) Há uma razão mais cabal para esta decisão: a Arábia Saudita, pura e simplesmente não quis perder quota de mercado. Principalmente, pelo facto de se tratar do maior exportador de petróleo. Como foi argumentado, há muitos incumprimentos nas quotas de produção da OPEP – é muito difícil controlá-las – e ainda para mais há contractos de fornecimento com condições estabelecidas há algum tempo, com preços necessariamente distintos daqueles vigentes nos mercados financeiros internacionais. Se fechasse a porta a um cliente – com base na redução de quotas de produção – ele ia bater a outra.

(6) A Arábia Saudita já recorreu a este tipo de táctica para refrear a animosidade demonstrada no passado – década de 80 – por parte dum vizinho incómodo: o Irão. Ao reduzir os fluxos provenientes do comércio externo e fiscais a crise económica que se instalou no Irão fê-los abandonar os planos de corrida às armas.

O Lado Negro do Petróleo (III/IV)

FuturesTrading_004

Tal como foi defendido antes, para a definição daquilo que é a cotação internacional do petróleo, contribuem variadíssimos factores. Foi também argumentado que os mais preponderantes até podem não ser aqueles que estão à vista de todos e muito menos aqueles de carácter estrutural/fundamental. Referiu-se também que a acção dos especuladores, na maior parte dos casos, invalida qualquer explicação racional a certas flutuações de mercado e nunca são analisadas como determinantes da evolução dos preços.

Para dar alguns exemplos de índole técnica:

  • Quase nunca, os comentadores convidados a opinar sobre a evolução da cotação internacional do petróleo, se detêm no facto deste estar cotado em dólares (USD). Ora, apesar de ser a divisa de referência a nível mundial, não é a que todos utilizam. Por isso, quando em termos nominais, no curto prazo, o USD deprecia face ao Euro (EUR) por exemplo, o detentor da moeda europeia ganha poder de compra, certo? Com os mesmos EUR pode comprar mais barris de petróleo. Durante muito tempo, enquanto a moeda americana foi intencionalmente depreciada – pelas injecções massivas de moeda no sistema financeiro mundial por parte do banco central americano (FED) ao abrigo do plano de monetização de dívida pública (quantative easing) – muitos negociantes da matéria-prima assim como regimes de países como a China (que importa a quase totalidade do petróleo que consome) constituiu reservas importantes. Quem diz de petróleo, diz de outras matérias-primas, principalmente as não-perecíveis, também transaccionadas em USD: metais e outros minérios. Analisem a evolução do USD e da cotação do petróleo, podem encontrar uma correlação interessante, e quase sempre negligenciada pela comunicação social (3);
  • Ainda analisando o efeito cambial: houve muitos aforradores, fundos soberanos de investimento e até especuladores, que com receio que as moedas soberanas pudessem ser substituídas, ou perdessem a sua faculdade de reserva de valor, desataram a comprar activos tangíveis. Foi no meio deste frenesim que até as moedas virtuais – bitcoin é a mais conhecida – ganharam alguns adeptos. Há cerca de 3 anos, no auge da crise de credibilidade do euro – com os naturais efeitos de arrasto sobre as outras divisas, houve muitos aforradores/investidores/especuladores que preferiram “aparcar” as suas poupanças/excedentes de tesouraria em bens tangíveis e facilmente transaccionáveis. O ouro também foi beneficiário desta tendência que, entretanto – pelo afastamento do perigo imediato do colapso das divisas soberanas –, já perdeu “apoiantes”;
  • A queda brusca e aparatosa da cotação internacional do petróleo pode indiciar que a maioria dos participantes do mercado estariam posicionados para a manutenção em alta dos preços do crude. Talvez por isso tivessem as estratégias de cobertura de risco montadas só para acautelar uma eventual subida e nunca a descida. O desmantelar de posições perdedoras poderá ter criado um efeito bola de neve sobre todo o mercado;
  • Não é incomum na indústria da gestão financeira de activos montar estratégias que envolvam vários activos no sentido de tirar partido de correlações estatísticas vigentes, durante determinados períodos. Muitas delas estão assentes em algoritmos de execução automática. Enquanto as regularidades se mantêm, os trades continuam a ser postos em prática. O pior é quando essas correlações perdem significância, ou começam a falhar. A reversão destas operações normalmente leva a movimentos bruscos nos mercados financeiros (4);
  • Quando há muita folga financeira e se consegue obter crédito facilmente, fazem-se muitos disparates e coisas raras. Pois bem, o leitor sabia que depois dos grandes bancos de investimento terem sido resgatados com dinheiros dos contribuintes entre meados de 2008 e 2009, se dedicaram ao negócio do ouro negro em larga escala? E sabe o que fizeram para ganhar “mais uns cobres”? Compraram quantidades enormes de barris de petróleo – fala-se que em determinado momento havia mais de 100 milhões de barris de petróleo nos seus livros – armazenados em petroleiros ancorados em portos marítimos. Para quê? Depois de ter feito um pico em Julho de 2008 a cotação internacional do petróleo caiu abruptamente. Como os preços dos fretes marítimos caíram também aos trambolhões, os espertalhaços na banca de investimento dedicaram-se a fretar petroleiros, pagar as taxas portuárias e a comprar petróleo como se não houvesse dia seguinte. Para quê? Simples: vendê-lo a jusante…Supertanker_001

Hoje em dia, pelos vistos, os grandes bancos de investimento abandonaram o ramo. No entanto, há alguns seguidores. Fala-se em cerca de 12-15 milhões de barris de petróleo flutuante, nos dias que correm.

  • Há mais exemplos mirabolantes mas como não quero esgotar a paciência do leitor fico-me por aqui.

(Continua)

(3) Aproveito para desmontar outra falácia veiculada pelas companhias petrolíferas que refinam e distribuem, como a Galp, (já analisamos as empresas integradas) quando entre 2007 e 2009 culpavam a escalada da cotação internacional do crude para cobrar (bastante) mais nos combustíveis que vendiam. Primeiro, o crude que compram tem preços contratualizados com os fornecedores e não são os cotados internacionalmente. Segundo, mesmo que fossem, no período em questão, o USD depreciou e de que maneira face ao EUR. Com isto se quer dizer que em termos líquidos a subida em EUR no preço do petróleo entre 2007-2009 não foi assim tão expressiva.

(4) Estávamos em 2008 a meio de toda a turbulência nos mercados financeiros. Quando se já se começava a instalar o pânico pela eventual repercussão catastrófica na economia mundial, eis que a cotação internacional do petróleo começa a escalar na vertical” chegando quase aos USD 150 por barril. Fizeram o pino para tentar explicar tal aberração lógica. “Não fazia sentido nenhum!”. Lembro-me que alguns comentadores mais “radicais” avançarem que podia estar a ganhar forma um cenário cataclísmico. Pois bem, se se tivessem dado ao trabalho de fazer o trabalho de casa teriam sabido, um dia ou dois de pois do petróleo ter atingido o seu máximo, que tudo não passou do colapso dum hedge fund que assumira posições vendedoras altamente alavancadas. A verdade é que este fundo teve de liquidar as suas posições. Como? Comprando! Ao fechar posições muito avultadas levou a uma escalada que certamente arrastou muitos traders posicionados da mesma forma. Por que terá sido obrigado a fechar tudo? Uma de duas: ou os bancos que lhe alimentavam as posições alavancadas lhe “tiraram o tapete”, obrigando a repor o crédito concedido; ou, o petróleo não caiu como esperavam. A alavancagem permite retornos ampliados quando se ganha mas pode fazer miséria quando não se acerta. Em mercados financeiros estar certo na hora errada pode levar qualquer trader à ruína!

O Lado Negro do Petróleo (II/IV)

oil_dirt_001

Antes foi feita referência aos fundamentos do petróleo. Que fundamentos são esses?

Resumidamente, o petróleo é uma matéria-prima que :

  • se encontra no subsolo: em terra firme, ou no oceano;
  • mais próximo da superfície e em zonas em que “basta perfurar o solo que ele brota,” ou em zonas remotas e de difícil acesso, cujo processo de extracção tem necessariamente de ser mais sofisticado logo, mais dispendioso;
  • cuja quantidade disponível se desconhece (ainda que se admita que seja escassa);
  • geograficamente, não se encontra igualmente distribuído: ao que se sabe, nos dias de hoje, está mais concentrada em algumas zonas do globo;
  • não é homogénea: há crude mais leve, mais puro e, por isso, mais facilmente refinável, e outro mais “pesado,” cuja refinação se revela mais difícil.

Relativamente ao mercado da matéria-prima, propriamente dito.

Do lado da oferta:

  • o ritmo de extracção (produção) é mais ou menos estável – embora com tendência ascendente – nos países desenvolvidos;
  • a capacidade marginal de produção – a que pode flutuar no curto prazo – está concentrada na Organização dos Países Produtores de Petróleo (OPEP): países cuja única (ou principal) fonte de riqueza é a exploração e exportação do ouro negro e cujos “estados” só sobrevivem com as receitas fiscais desta indústria;
  • embora entre os países emergentes, sejam os respectivos estados os proprietários do crude, são na maioria dos casos, as multinacionais do petróleo que recolhem os benefícios económicos de explorá-lo;
  • ainda que se admita que as jazidas de petróleo sejam escassas, a verdade é que os progressos técnicos nas áreas das engenharias, geologia, etc., têm levado ao descobrimento e subsequente exploração económica de novas e generosas jazidas de crude.

Do lado da procura:

  • a tendência dos últimos 20-30 anos é claramente altista, com o crescimento fulgurante registado, sobretudo, nos países Asiáticos, com destaque para a China: crescimento económico, crescimento industrial, maior poder de compra, crescimento do parque automóvel, mais tráfego aéreo, tudo contribuiu para a explosão da procura de produtos derivados do petróleo;
  • embora nos países em vias de desenvolvimento o consumo seja mais desenfreado, nos países ocidentais a intensidade do seu uso tem-se reduzido bastante, principalmente desde o choque na oferta do final dos anos 70. Isto é, ao longo das últimas décadas, as economias desenvolvidas têm procurado diminuir a sua dependência do petróleo forjando tecnologia cada vez mais eficiente e/ou com fontes de energia diversas.

Quanto ao “mercado” propriamente dito:

  • ao contrário daquilo que é dado a entender não há uma cotação “internacional” do crude, propriamente dita: há gigantes multinacionais que sob concessão dos estados de determinados países, extraem e comercializam o petróleo que, como foi esclarecido acima, é uma matéria-prima heterogénea;
  • aquilo que é cotado nos mercados financeiros é um índice que serve de referência aos especuladores, aos indivíduos/empresas que, por qualquer razão, lhes convém cobrir o risco operacional de lidar com produtos derivados do petróleo (empresas de transporte de passageiros e/ou mercadorias, empresas químicas, refinarias, etc.) e no cálculo dos royalties e/ou impostos a cobrar às empresas petrolíferas por parte dos governos dos países que dependam fortemente do crude para financiar os orçamentos de estado (independentemente se servem para financiar a compra de armamento, ou artigos de luxo);
  • como não há propriamente correspondência entre o volume de barris de petróleo colocados no mercado real e aqueles que são transaccionados nos mercados financeiros não se pode dizer que haja muito rigor na quantidade de barris de petróleo produzida a nível mundial por unidade de tempo (mês, ano, etc.). Por outro lado, mesmo no seio da OPEP, há variadíssimos precedentes de ruptura das quotas de produção acordadas.

refinery_003

Depois de se relativizar a importância da “cotação internacional do outro negro” e de se aprofundar um pouco as idiossincrasias da matéria-prima, devemos abordar as principais razões económicas invocadas para explicar a queda do preço do crude de 115 dólares (USD) para cerca de 50 em menos de 6 meses:

  • Retracção da actividade económica mundial, nomeadamente na zona Euro:Este prospecto de crescimento económico anémico não é recente nem tão pouco se pode dizer que houvesse perspectivas de uma retoma fulgurante a breve trecho. Para aqueles que teimem em forçar este argumento com o arrefecimento do crescimento a todo vapor da China, a verdade é que a este país não vai deixar de consumir petróleo de um momento para o outro. É também do conhecimento dos que estejam minimamente atentos à evolução do Dragão Asiático que continuar a gerar riqueza a um ritmo de 10% ao ano – média das últimas 2 décadas – não seria não só sustentável como não seria desejável. Uma queda desta magnitude, e com esta violência, no preço do petróleo seria coerente com uma hecatombe económica – não é o caso (pelo menos face ao que já era expectável num passado recente). Se efectivamente fosse (for) esse o cenário que se avizinha pergunto-me: até Junho andava toda a gente a dormir? Especuladores, hedgers, bancos de investimento, fundos de investimento, negociantes de petróleo, descobriram todos ao mesmo tempo que estavam a pagar demasiado pelo petróleo? Coloco esta interrogação, porque se houvesse correspondência entre os mercados financeiros e a economia real, não seria complicado explicar por que razão é que o preço da matéria-prima não caiu mais cedo? Para não baralhar muito a coisa, vamos esquecer o facto de que, ao que parece, os EUA estarem a retomar um ritmo de crescimento económico mais robusto.
  • Relação entre jazidas de petróleo exploradas economicamente e consumo actual ter-se-á expandido, por outras palavras, o ritmo a que se têm descoberto novos poços economicamente viáveis está a mais que compensar a cadência do consumo. O argumento de que a pressão altista sobre o preço internacional do petróleo deu ensejo à exploração de poços de custo marginal relativamente elevado (com destaque para a perfuração horizontal de formações de xisto – fracking – nos estados do Dakota do Norte e do Texas, nos EUA, ou, então, no aquecimento das areias betuminosas em Alberta, Canadá), culminando num reforço considerável da oferta e consequente queda do preço, faz algum sentido. O que não encaixa muito bem é utilizar este argumento para explicar uma queda abrupta e repentina na “cotação internacional do crude”, quando estes projectos já estão em marcha há anos.
  • A “tal” reunião da OPEP de 27 de Novembro, na qual o principal exportador – a Arábia Saudita – ante a pressão de países como a Rússia, Irão (cujos regimes não são propriamente convidados de honra para tomar chá) e Venezuela, se recusou a reduzir a sua quota de produção, acentuando a queda da cotação internacional do petróleo, que por essa altura já andava a rondar os 75 dólares por barril. Ainda que tenha ajudado a reforçar a pressão vendedora sobre o crude nos mercados internacionais, não explica como é que a cotação já havia recuado cerca de 35% desde Junho de 2014.

Dirijamos as atenções agora para razões subliminares e que nunca são analisadas (por falta de conhecimento e alguma ignorância atrevida): técnicas e geopolíticas.

(Continua)

O Lado Negro do Petróleo (I/IV)

cabeçalho

Ainda que bem recebida por inúmeras famílias e empresas espalhadas por todo mundo, tem causado espanto a descida acentuada e abrupta do preço do petróleo. No entanto, uma leitura mais atenta e documentada sobre as idiossincrasias desta matéria-prima permitirá entender melhor o porquê de tal queda e dos factores que influenciam a sua cotação.

Apesar das muitas teorias avançadas na tentativa de explicar tal evolução – umas mais plausíveis que outras – a verdade é que o preço do “ouro negro” obedece a condicionantes, que, regra geral são ignorados, pela opinião pública, que atiram por terra todas as ideias pré-concebidas (intencional, ou levianamente veiculadas).

Comecemos pela bitola do preço do crude, que chega a ser mais referenciado nos boletins de informação que o preço dos combustíveis: a sua cotação nos mercados de futuros. Não há nada mais enganoso, para a opinião pública, que enfocar a atenção nesta cotação. Por quê? Muito simples. Todos sabemos que hoje em dia, com poucas centenas de euros, qualquer pessoa pode abrir uma conta de trading e transaccionar seja que activo for, incluindo o petróleo cotado nos principais índices de referência, através de instrumentos derivados (futuros, CFDs, warrants, por exemplo). Para esse preço, normalmente do contrato de futuro com a maturidade mais curta, (1) concorrem não só as opiniões especulativas da miríade de pequenos “apostadores”, como também de pesos-médios e, sobretudo, dos grandes tubarões do mundo financeiro, que movimentam milhões de contractos por dia que valem milhões de barris de petróleo. Agora, interrogue-se o leitor, quantos destes milhões de barris efectivamente trocam de mãos, ou quantos é que são realmente entregues ao titular destes instrumentos derivados?! Se pensou em “nenhum”, não terá errado por muito. Já agora, quantos barris de petróleo é que o leitor consome por dia? Ou por mês? Da matéria-prima, tal e qual? Nenhum. Certo? “Ah! Mas abasteço o automóvel todas as semanas…” Ok, mas isso é outra coisa. Já lá iremos…

O que se quer dizer com esta chamada de atenção? Que a cotação que releva para a economia mundial, e mais concretamente de qualquer país, que não seja produtor e exportador de crude, não é a dos instrumentos financeiros.

Retomando a questão levantada atrás sobre o consumo de barris de petróleo. Se esta fosse colocada a uma empresa “petrolífera”, obviamente a resposta seria outra. E o preço a que “adquire” a matéria-prima para transformá-la em combustíveis, por exemplo? Será a dos mercados financeiros? Não. Então, por que é que os porta-vozes das empresas “petrolíferas” vêm sempre justificar-se com a “cotação nos mercados internacionais” para fazer flutuar o preço dos combustíveis?

Aprofundemos o tema “empresas petrolíferas”. Na realidade, o uso desta expressão para definir as empresas que “trabalham” com petróleo revela-se demasiado vaga. Neste meio, o mais normal é o leitor enumerar as empresas integradas que abarcam todas as fases compreendidas entre a prospecção de “ouro negro” e a distribuição de combustíveis. Não obstante, pelo meio há operações como a extracção, depuração, transporte, refinação, até chegar às estações de serviço. Empresas que abarquem todas estas fases não são muitas, a nível mundial. Trata-se de organizações colossais, tecnologicamente muito avançadas, que empregam milhares de pessoas em todo mundo, cujos quadros estão pejados de profissionais altamente qualificados nas mais variadas áreas do conhecimento, que geram mais dinheiro que a maioria das economias mundiais e que se fazem valer dos argumentos mais convincentes para “persuadir” as elites dos países “donos” de importantes jazidas de crude – sobretudo, daqueles em vias de desenvolvimento, e sem capacidade de investimento público, nem meios tecnológicos para extraí-lo (2) – para recebê-los de braços abertos no seu terraço. Quando uma representação destes titãs bate à porta para discutir a possibilidade de extrair petróleo no “quintal” destes países menos apetrechados nunca vêm dispostos a negociar muito. Além das prendas de “cortesia” para os “anfitriões”, trazem com eles investimento, postos de trabalho, pagamento de royalties e de impostos. Em troca, negoceiam contractos de exploração de muito longo prazo e, um preço marginal balizado pelos barris de petróleo extraídos. Se a cotação nos mercados internacionais servir de alguma referência, será, principalmente, para indexante do cálculo dos royalties e dos impostos a pagar no país abençoado pela existência de “ouro negro” no seu território, ou eventualmente para rever os preços por barril contratualizados.

energy-oil_rig-001

Por isso, quando as empresas “petrolíferas” invocam a cotação internacional do preço da matéria-prima como justificante para fazer variar o preço dos combustíveis, não estão a fazer mais do que navegar o desconhecimento do consumidor de combustíveis na matéria. Aliás, se os mercados de instrumentos financeiros indexados à cotação do petróleo servem para alguma coisa, para além de especular, é para fazer cobertura de risco. Com isto se pretende dizer que, ao contrário do que querem fazer querer à opinião pública, as empresas petrolíferas não estão expostas ao risco de evolução da cotação do crude, muito menos no curto prazo. Se se atentar na evolução do preço internacional da matéria-prima, ao dia a que este artigo foi redigido, a queda de quase 2/3 do seu valor expresso em dólares desde Junho, não teve igual repercussão nos preços dos combustíveis, por exemplo. Ainda assim, as empresas de distribuição de combustíveis só os baixaram para não quebrar esse nexo de causalidade percepcionado pelo consumidor e evitar que este se “aventure” em explorar e/ou aprofundar formas alternativas de diminuir a sua dependência dos produtos derivados do petróleo.

Do que se expôs até aqui, pretende-se ajudar a desmistificar a maioria do frenesim mediático que gira em torno da evolução daquilo que os boletins informativos designam pela “cotação internacional do crude”. Primeiro, porque a inter-relação entre o petróleo – activo financeiro – e a economia real não é não é assim tão relevante, pelo menos para o consumidor comum. Segundo, as razões explicativas que alguns “pseudo-especialistas” insistem em debitar nos meios de comunicação social com base nos fundamentos do crude – de âmbito temporal alargado – têm (muito) pouca validade para explicar dinâmicas de preço técnicas. Isto é, específicas dos mercado de derivados cujos volumes de transacção são maiores – futuros e/ou opções – e para cúmulo, de curto prazo. É um erro comum e ancestral tentar racionalizar realidades desconhecidas sem fazer uma abordagem sistemática.

(Continua)

  1. Até um determinado dia da semana, convencionado pela bolsa onde o contrato é transaccionado – e de conhecimento público – recorre-se ao contrato que expira no mês seguinte (n+1). Depois dessa data convencionada será n+2.
  2. Cujo território abençoado pela existência de ouro negro no seu subsolo contribuiu para economias completamente desarticuladas e incipientes sem qualquer forma de geração de riqueza que não seja pelas contrapartidas que decorrem do contratualizado com as empresas “petrolíferas”. A implantação de regimes despóticos só favorece os interesses destas companhias em claro detrimento das populações destes países que subsistem em condições no limiar da sobrevivência.

(Farto de) Entregar o ouro ao bandido (2/2)

03

03

[Segunda Parte]

Direccionemos as atenções para as diferenças inter-temporais, quanto à soberania do Povo. Não são muitas.

Comecemos com o poder militar e forças de autoridade. Actualmente são entidades distintas, ou seja, já não se confundem com aristocracia ainda que estejam ao seu serviço. Não obstante, a fidelidade do exército e das forças de segurança continuem a poder ser “compradas” como outrora: com promoções automáticas e sem sentido (clique aqui), privilégios, mordomias, pensões, etc. Principalmente no exército… (Por falar nisso, alguém sabe quantos generais há “no activo” em Portugal (clique aqui)? E por curiosidade, quantos haverá nos EUA?!). Porém, haverá alguma razão para isso? Se recuarmos até 1974 facilmente se entende. Agora que chamei à atenção este tema, fico na dúvida se se tratará de uma diferença face à Idade Média. Em relação a outras forças de autoridade, a oligarquia partidária tem a coisa controlada (ou depois da última manifestação, talvez não) mas uma coisa é certa, pelo abandono a que têm sido votadas as forças policiais, está claro que não os encaram como uma ameaça ao regime.

Na mesma linha, mas agora referindo à forma como a autoridade era exercida, quando a coroa, o senhor das terras, o regime eram postos em causa, ou o Povo se revoltava pelos impostos que pagava, ou pelo preço dos cereais e/ou outros víveres, na terra do aristocrata onde viviam. Se antes se reprimia pela força hoje em dia, se não houver desacatos, ou actos de violência, essas manifestações são só “acompanhadas” e vigiadas de perto. Espera lá, mas a Ucrânia e a Venezuela, não são democracias?! Bom, quanto à repressão das manifestações, já coloco algumas reservas no que toca à possibilidade de se tratar duma diferença face ao outrora.

Passemos à seguinte diferença: se na Idade Média, a maioria do Povo era analfabeta e, logo, muito facilmente manipulável e/ou instrumentalizada, hoje em dia isso não acontece. Ou sim?! Bem, esta ideia de assinalar as diferenças não me está a sair muito bem.

Vou tentar mais uma: se no regime feudal, aguentavam-se as agruras dos desmandos e má gestão dos senhores das terras, emigrar não seria propriamente uma opção como agora. A existência e os parcos direitos acumulados ao longo do tempo estavam enraizados nos campos que exploravam e nos ofícios que lhes eram “permitidos”. Hoje em dia e em Portugal, este fenómeno é tão óbvio que qualquer dia o país vai parecer as vilas do interior: desertificadas, habitadas por população grisalha e longeva (clique aqui) e, quando chega Agosto, rejuvenesce, durante 2 meses, com a chegada dos emigrantes. Nos restantes meses, talvez se consigam ver crianças que visitem o país com os seus pais, em turismo.

Para terminar este exercício, relembro uma das diferenças mais assinaláveis. Efectivamente, se na Idade Média, a soberania dum aristocrata não poderia ser questionada, senão pelo seu rei (ou pela Igreja) e como tal não se sufragava, hoje em dia isso já não é assim. Quando as pessoas são chamadas a votar podem, em massa, decidir ser usurpadas – perdão – governadas (custa-me utilizar o termo sem aspas) por outra falange aristocrata. Em Portugal, nos passados 40 anos, isso implica optar, de 4 em 4 anos, entre os rosas e os laranjas. No entretanto, pode o Povo derrubar algum governo? Pode espernear, gritar e chorar…mas não. Como antigamente…

Podemos fazer alguma coisa para nos vermos livres da influência nefasta que têm estas organizações partidárias demasiado poderosas? Que legislam mal e porcamente e, em seu favor (clique aqui), dos da sua corte e dos seus clientes (que não é o Povo, note-se). Que mantêm a Justiça manietada. Que, escandalosa e convenientemente, se recusam a abrir mão do monopólio legislativo (clique aqui e aqui). Que regulam, quando querem regular, e deixam andar, quando algum lobby poderoso lhe acena com benefícios, ou ameaça com a perda deles e com represálias (e sempre em prejuízo do Povo). Que se servem do poder para angariar e mediar negócios para os seus clientes e afiliados, tendo o Estado como plataforma numa relação: privatização dos benefícios e socialização das perdas. Que matam a livre concorrência, a igualdade de oportunidades e o empreendedorismo, ao adjudicar directamente (clique aqui), ao nomear e ao levantar barreiras “legais” à concorrência de incumbentes “bem relacionados”. Que decidem por investimentos infra-estruturais estéreis, redundantes e de encargos faraónicos.

Para rematar esta demorada exposição, pergunto: Portugal precisa destas organizações partidárias e da pandilha (clique aqui e aqui) que anda a seu reboque, negligenciando o Povo que supostamente deveriam representar?! Não estarão, no final de contas, a contribuir para a aflição por que passa Portugal e para este capítulo da história que em nada nos enobrece?

Se não precisamos deles e muito menos da discricionariedade do seu poder (clique aqui e aqui), por que razão devemos aguentar as suas arbitrariedades (clique aqui) em prejuízo do Estado?! Por que razão devem os Portugueses emigrar (clique aqui) para procurar melhores condições de vida para si e para os seus?! Eles que (se) mudem, porque Portugal não é o seu feudo, Portugal não é das falanges partidárias, eles não podem dispor do país para os seus caprichos.

O que proponho para mudar o rumo dos acontecimentos?! Duas medidas, muito simples, que terão mais impacto se executadas em simultâneo.

Primeira: a dança das cadeiras só prossegue, porque nós continuamos a dar música. Por isso, se não somos tidos, nem achados nas grandes decisões que nos afectam a todos, a nossa melhor resposta ao absolutismo partidário é boicotar as eleições. Boicotar a sério, numa acção concertada que evidencie a inutilidade das eleições legislativas no actual regime. Uma taxa de abstenção não inferior a 80% daria um sinal claro das intenções do Povo. Eu preferiria outra forma mais flagrante de protesto, que seria uma ida massiva às urnas, com o esmagamento da taxa de abstenção para níveis nunca antes vistos, mas com uma percentagem de votos nulos avassaladora *!

Segunda: à parte de todos defeitos e falhas na gestão do país, aquele que nos implica directamente é o péssimo uso dos dinheiros públicos já evidenciado em vários exemplos. Como tal, para se obviar este – chamemos-lhe dilema – cortamos-lhes a fonte para os seus devaneios. Querem desperdiçar dinheiro, ou canaliza-lo para interesses privados, pois utilizem o dinheiro deles. O que temos de fazer é algo semelhante ao que o cidadão Nelson Arraiolos anunciou: pelo facto de estar desempregado e de não ter forma de sustento, declarou, unilateralmente, em carta escrita ao presidente da República, ao primeiro-ministro e à ministra das finanças que não pagaria mais impostos. A sua iniciativa não foi levada muito a sério, já que foi isolada. Ainda que não esteja inteiramente de acordo com a sua petição (clique aqui e aqui), considero-a perfeitamente legítima à luz da indignação perante um regime oligárquico e viciado (clique aqui). Deveríamos todos declarar unilateralmente que, em face dessa prepotência, não contassem com os nossos impostos para desbaratá-los, num sinal claro de protesto face à ilegitimidade do regime.

Comecei com uma citação de Henry Thoreau, termino com outra também da sua autoria: Disobedience is the true foundation of liberty. The obedient must be slaves.” [A desobediência é o verdadeiro alicerce da liberdade. Os obedientes serão escravos].

Se quiserem contar com uma participação mais efectiva do Povo para melhor gerir o país, assumindo as suas limitações, os seus vícios, as suas deficiências, muito bem. Caso contrário devemos também, sem violência e sem agressão, demonstrar o nosso inconformismo (clique aqui) e fazer frente ao absolutismo dum regime que não produz resultados satisfatórios…

* Numa altura em que considero que as falanges partidárias não andam a dormir e que de certeza já pressentiram que a legitimidade deste regime começa a ser posto em causa, eu começo a duvidar seriamente do rigor (veracidade) das estatísticas eleitorais. Um voto nulo é impossível de adulterar!